Archive for the 'Sustentabilidade' Category

Lixo é passado

Por: Sérgio Kleinfelder Rodriguez da  Sklein Consultoria

nova lei de residuos

nova lei de residuos

Após 21 anos tramitando no Congresso a Lei que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos acaba de ser sancionada. Dentre os diversos méritos da Lei, destaco o princípio de responsabilidade compartilhada como um novo marco na já bastante inovadora legislação ambiental brasileira.

Princípios são como as fundações de um edifício, sobre os quais todo o resto pode ser viabilizado. No caso do princípio da responsabilidade compartilhada, a inspiradora inovação surge exatamente de onde menos se esperava: do lixo.

Dá-nos a co-responsabilidade como cidadãos, empresários, trabalhadores, pessoa física e jurídica de atentarmos que não há, assim como nunca houve, sentido em convivermos em um mundo onde o acúmulo do desperdício pode ser facilmente quantificado pelos milhares de caminhões que diariamente carregam aquilo que processamos da natureza e transformamos em focos de poluição e degradação ambiental.

Toda a cadeia de produção e de consumo, enfim, compartilham de um novo paradigma ético onde se busca a solução na coletividade e não mais apenas na coleta e transbordos do lixo, a custos econômicos e ambientais cada vez mais insuportáveis.

Corrobora com este novo paradigma, impresso no DNA da Política Nacional de Resíduos Sólidos, a necessidade de raciocinarmos sobre nossa insustentável cegueira de que pagamos por produtos que consumimos incluídos os indesejáveis rejeitos inaproveitáveis e, confusos, lançamos no lixo a mistura de tudo aquilo que ignoramos ser re-aproveitável e, portanto, com valor econômico. Além, ignoramos também o valoroso trabalho efetuado por aqueles que separam do lixo o sustento bem-vindo de muitas famílias.

Por ignorarmos tais fatos, necessitamos diariamente dos recursos minerais já em franco processo de escassez, além de outros recursos vitais como o ar e a água necessários para nossa própria sobrevivência.

Sempre considerei os aterros e lixões como uma atividade de mineração ao contrário. A Lei dos Resíduos vem reafirmar essa minha consideração ao inovar com a idéia de logística reversa como instrumento viável para a prática do princípio da responsabilidade compartilhada.

Espero, contudo, que prefeitos responsáveis pelos resíduos municipais e empresas ligadas aos serviços de limpeza pública não reinventem a roda e deturpem essa brilhante proposta, carregada de conceitos sustentáveis, transformada em Lei, através da ganância dos lucros exorbitantes de um negócio que no passado, ainda bem recente, a sociedade acostumou-se a chamar de lixo, como uma simbiose entre aquilo que manipulavam e aquilo em que alguns se transformaram.

Anúncios

Sustentabilidade: Uma nova tendência a ser seguida

Grandes projetos requerem grandes transformações. A afirmação é, sem duvida, uma realidade quando falamos de projetos feitos por grandes empresas. O problema é que o termo “grandes transformações” agrega um valor negativo em sua essência e essas “transformações” estão quase sempre ligadas a um contexto de destruição do meio ambiente. Temos essa sensação exatamente pelo fato de não existir, até algum tempo atrás, nenhum tipo de preocupação com o meio ambiente por parte das empresas. Desmatar, poluir e alterar o funcionamento natural do meio em que vivemos, não era um problema na hora de dar prosseguimento a qualquer projeto.

Com a forte concorrência e a semelhança muito grande entre as diversas empresas e produtos de cada segmento, pequenas ações tomadas por qualquer empresa, poderá se tornar um diferencial da mesma, aumentando assim os motivos de cada consumidor de comprar seus produtos. Ser uma empresa com preocupações sociais é um grande atrativo para se posicionar em um lugar melhor dentro de um mercado muito competitivo.

Embalados por uma nova mentalidade que a sociedade civil de um modo geral apresenta, as empresas hoje, estão se encaixando aos novos padrões na hora de executar suas ações. A cada dia aumentam-se as possibilidades para quem quer implantar medidas de sustentabilidade em seus projetos.

Para que um projeto seja sustentável, alguns conceitos básicos terão que ser aplicados. É necessário atentar se nenhuma das medidas tomadas irá agredir o meio ambiente, se o projeto é economicamente viável, socialmente justo e culturalmente aceito.

Sustentabilidade Ambiental

Sustentabilidade Ambiental

A sustentabilidade não é um objetivo a ser alcançado, mas sim um caminho a ser seguido. Seguir por esse caminho não implica em uma diminuição da eficácia ou viabilidade de cada projeto, muito menos em abrir mão de uma quantia enorme de capital, mas sim na criação de métodos de agir e ter pessoas capacitadas e preocupadas socialmente, eticamente e culturalmente. Todas as partes envolvidas em um projeto têm que apresentar essa vontade única, fazer o projeto “acontecer” sem afetar ou destruir o meio ambiente.

Poluição Luminosa

 O processo de degradação do nosso planeta é um assunto que envolve muito mais problemas do que as pessoas normalmente imaginam. Os grandes vilões do nosso meio ambiente são mais que conhecidos por boa parte da população, mas normalmente, temos outros influenciadores que não tem tanta visibilidade na mídia: como o caso da Poluição luminosa.

 O que seria a Poluição luminosa ?

Segundo o Wikipédia, Poluição luminosa é o tipo de poluição ocasionada pelo luz excessiva ou obstrusiva criada por humanos. A poluição luminosa interfere nos ecossistemas, causa efeitos negativos à saúde, ilumina a atmosfera das cidades, reduzindo a visibilidade das estrelas e interfere na observação astronômica. Esse tipo de poluição é causado principalmente pela Industrialização.

 

Mundo Iluminado

Mundo Iluminado

 Uma das maiores demonstrações da existência da poluição luminosa, é quando estamos chegando em uma cidade e percebemos um brilho intenso no céu durante a noite, mesmo que estejamos a quilômetros de distancia.Toda essa luz que podemos enxergar, é um desperdício, levando em consideração de que ela esta passando dos limites idealizados de iluminação.

Outro fato interessante, é que nos centros urbanos, não se faz possível enxergar as estrela a olho nu. A quantidade de luz excedente é tanta que nos impossibilita de conseguir tal feito. Essa realidade não condiz com as noites das pessoas que vivem nas áreas rurais, onde a tecnologia e os grandes focos de iluminação não esta tão presente.

 A crítica não esta na utilização das luzes artificiais, mas sim no modo o qual elas estão sendo usadas. Existem estudos que apontam que o desperdício de iluminação possa chegar aproximadamente a 60% nos grandes centros urbanos. Caso consigamos mudar essa realidade e começarmos a aprender usar a energia de forma correta, mandando luz apenas para lugares os quais queremos enxergar, não precisaríamos implantar medidas como o horário de verão para economizar energia, não seria necessário buscar novas fontes de geração de energia para suprir a necessidade do país e nossos rios não seriam tão afetados com as construções de novas hidroelétricas.

 

Fonte da imagem – lifeconsulting.multiply.com

Fonte de pesquisa –  www.silvestre.eng.br/astronomia/polumin/oqepolum/

Holcim Awards: maior prêmio de construção sustentável do mundo abre inscrições

Prêmio Holcim de Construção Sustentável

Prêmio Holcim de Construção Sustentável

Estão abertas a partir e hoje as inscrições para o o Holcim Awards, o maior prêmio de construção sustentável do mundo. O prêmio, realizado pela Holcim Foundation (fundação apoiada pela Holcim Ltda mas com administração independente) surge em sentido de fomentar o desenvolvimento de projetos de construção sustentável em todo o mundo.

Com duas categorias indepedentes, tem a principal categoria destinada a arquitetos, urbanistas, engenheiros, proprietários de projeto, construtoras e empresas de construção com  showcase tecnológico sustentável que atenda a questões ambientais, socioeconômicos e culturais na construção.

Os projetos são elegíveis para a competição se tiverem atingido um estágio avançado de design ou a produção comercial, no caso de materiais, produtos e tecnologias de construção.

A segunda categoria, chamada de “Next Generation é destinada a projetos de estudantes universitários criados no âmbito dos programas ao nível do último ano de licenciatura ou superior (incluindo mestrado e doutorado).

A terceira edição do Prêmio, deverá contar com 5 etapas regionais, a serem realizadas até o fim de 2011 e a etapa global prevista para 2012, e conta com a participação de universidades parceiras nas cinco regiões, sendo que no Brasil a parceira do prêmio é a USP.

As inscrições e submissão de trabalhos podem ser feitas a partir de hoje até o dia 23 de março de 2011. No link: www.holcimfoundation.org/guides é possível acessar os guias com instruções detalhadas sobre como preencher a ficha de inscrição e submeter o projeto.

Para saber mais sobre as edições anteriores do prêmio acesse: www.holcimfoundation.org/T702/HolcimAwards.htm , onde você encontra fotos e descrição dos projetos que vencedores nas etaspas regionais anteriores e na edição global.

Responsabilidade Social aplicada a metodologia do PMI

projetos com diretrizes sustentáveis

projetos com diretrizes sustentáveis

Encontrei este material: ( www.slideshare.net/j2daconsulting/apresentao-do-instituto-ethos-sobre-responsabilidade-social-e-sustentabilidade-em-projetos ) do Instituto ETHOS enquanto pesquisava sobre metodologia de gestão de projetos que incorporam diretrizes de sustentabilidade. Na apresentação, é descrito como incorporar as ferramentas de gestão do Instituto, que se desdobram na mensuração dos indicadores, em projetos se utilizem das boas práticas do PMI. Vale muito a pena olhar com calma o material.

O que é o Programa GHG Protocol?

Programa Brasileiro GHG Protocol

Programa Brasileiro GHG Protocol

O GHG Protocol (www.ghgprotocolbrasil.com.br) é um programa desenvolvido pela World Resources Institute (WRI) em parceria com o World Business Council for Sustainable Development (WBSCD) e adaptado ao contexto nacional para fornecer uma maneira de produzir inventário das emissões de carbono (GEE).

A metodologia desenvolvida pelo programa é compatível com as normas da ISO, assim como com as normas de quantificação do IPCC, o que tem contribui para que a mesma seja uma das mais difundidas mundialmente.

Na primeira etapa do programa, lançada no dia 12/05/2008 em Brasilia, participaram as empresas: Ambev, Petrobras, Abril, Embraer, Boticário, Wal Mart e Sadia, responsáveis em conjuto por 4% das emissões no Brasil.

Já na segunda etapa lançada em 15/04/2008 na FGV-SP, participam as empresas Oi,  Souza Cruz,  GOL – Linhas Aéreas Inteligentes,  Grupo Allegro,  LWART Química,  SGD Brasil Vidros Ltda,  Plural Indústria Gráfica,  Igaratiba,  Sanepar,  Givaudan,  Lojas Americanas,  RL Higiene,  Gelnex,  Furukawa,  IFF,  VIX Logística,  Promon Engenharia,  Correios e SESI.

A principal proposta do programa é de transferir metodologia e know-how gratuitamente, que em um contexto maior trata-se de uma estratégia para incorporar a questão das mudanças climáticas nas estratégias empresariais, a tem feito isto através de treinamentos as empresas que participam do programa, habilitando as mesmas a produzirem seus relatórios. Os principais tópicos abordados no treinamento oferecido as empresas que participam do programa são:

1. Mudanças climáticas – Ciência, Política e Negócios
2. Inventários no contexto internacional e nacional
3. O GHG Protocol
4. Estabelecimento de limites organizacionais e operacionais
5. Monitoramento ao longo do tempo e definição de ano base
6. Ferramentas para quantificação de GEE
7. Coleta e gestão de dados
8. Elaboração e divulgação do relatório de emissões
9. Verificação independente
10. Aplicações do inventário

E a metodologia com todos os templates para a produção do investário pode ser baixada em: www.ghgprotocolbrasil.com.br/index.php?page=ConteudoSecao&idsecao=1&idmenu=2.

Sustentabilidade na Philips

O que é sustentabilidade para a Philips

O que é sustentabilidade para a Philips

Encontrei ontem o site de sustentabilidade da Philips, um bom exemplo que achei válido compartilhar, já  que pode servir de modelo para pensar em como relatar ações de sustentabilidade  de uma forma acessivel. Destaque para a maneira como foi incorporada a sustentabilidade na missão e visão da empresa e o consequentemente desempenho nas  ações estratégicas, a missão e visão deles em sustentabilidade é:

Missão
Melhorar a qualidade de vida das pessoas por meio do lançamento oportuno de inovações significativas.

Visão
Em um mundo onde a complexidade está cada vez mais presente em todos os aspectos de nossa vida diária, nós seremos líderes em levar sense and simplicity para as pessoas.

E  neste site: www.sustentabilidade.philips.com.br, estão listadas todas as ações de sustentabilidade da Philips.   A divisão de temas é muito boa, por que ajuda ao stakeholder  por exemplo interessado somente em meio ambiente a chegar facilmente nestes projetos, as divisões feitas são: Resposabilidade Individual, Responsabilidade Ambiental, Responsabilidade Ecônomica, Responsabilidade Social, Desafio Energético, Soluções em Cuidados com a Saúde e Dialogo com Stakeholders.

Sendo que em cada uma destas aréas estão descritos os projetos da empresa, talvez a única falha do site seja não estar clara a relação dos projetos com as ODM (Objetivos de Desenvolvimento do Milênio).

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

E para quem quiser saber mais sobre a Philips pode baixar o relatório  de sustentabilidade completo em: www.sustentabilidade.philips.com.br/relatorio-de-sustentabilidade-e-publicacoes.htm, e ter noção da equivalência das ações.


Contato

j2da@j2da.com.br

Siga a J2DA no Twitter

Mais Acessados

  • Nenhum
Uêba - Os Melhores Links