BICIGRINO EM SANTIAGO: RISCOS E IMPREVISTOS

Foram 844 KM pedalados em 15 dias. Aproximadamente 57KM por dia. Muito frio, muita chuva, muita lama e muito cansaço. Entretanto pela graça de Santiago, meu companheiro de viagem, nenhum imprevisto prejudicial ocorreu durante a viagem. 

Senti dores duas vezes, a primeira delas nas costas pela posição da byke foi resolvida levantando totalmente o ‘bar end’ e ajustando minha posição durante o pedal. A segunda dor for no ouvido. Preocupei-me com ela pois o frio era intenso e a dor chegou a ficar muito forte. Numa das noites tomei um antiinflamatório que levava comigo, mas resolvi o problema no dia seguinte mudando a posição do óculo cujas hastes passaram a ficar por fora da toca, forçando o bloqueio do vento contra o ouvido.

A Babieca me deu qualquer trabalho. Nem um pneu furado. Apenas troquei um cabo de câmbio já em Melide, um dia antes de chegar ao Monte do Gozo. Nem encher o pneu eu tive que fazer. É claro que eu fazia a manutenção preventia dela todos os finai de tarde. Assim que chegava ao albergue, tomava banho, colocava um aroupa seca e quente e depois cuidava de limpar a byke, tirar o excesso de barro, lubrificar a corrente e os cabos e ajustar os freios e o câmbio. Manutenção básica que me rendeu a tranqüilidade da viagem.

Ainda que nada tivesse ocorrido, eu estava preparado para alguns riscos. Levava comigo, num dos alforges, ferramentas, peças de reposição e manutenção da Byke -pneu sobressalente dobrado, câmaras de ar, sapatas de freio, cabos, aros, pedaço de corrente, etc. levava ainda alguns medicamentos de uso geral como antiinflatório, antihistamínico e analgésico. Levava roupas adicionais, guias de estradas, além dos guias do caminho e telefones para caso de emergência. Meu plano de riscos foi bastante amplo e me tomei ações preventivas para cada risco que achei importante, ainda que cada ação pudesse implicar em aumento de peso nos alforges.

Porém, mais do que a prevenção de riscos durante o planejamento, durante a trilha avaliei riscos o tempo todo e me portei sempre avesso a qualquer imprevisto. As decisões de sair da trilha e tomar o asfalto forma sempre conseqüências de ponderações de riscos. A velocidade nas descidas, ainda que aguçasse o espírito aventureiro foi invariavelmente reduzida por conta da avaliação de riscos. Outro ponto avaliado constantemente era a minha alimentação, que precisava ser rica em carboidratos por conta do esforço e do frio. E ainda, apesar de estar em região mais que propícia, tive que me conter na degustação de vinho da casa (sniff!!!). 

Muito frio, chuva e lama

Muito frio, chuva e lama

Anúncios

1 Response to “BICIGRINO EM SANTIAGO: RISCOS E IMPREVISTOS”


  1. 1 Tania Belmiro julho 30, 2009 às 4:08 pm

    Olá Alonso,

    Foi divertido e muito instrutivo ler um pouco do seu blog…

    Parabéns… viajei nas suas estórias sobre seu projeto relacionado ao Caminho de Santiago.

    abs,


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Contato

j2da@j2da.com.br

Siga a J2DA no Twitter

Mais Acessados

  • Nenhum
Uêba - Os Melhores Links

%d blogueiros gostam disto: