Corrida de São Silvestre Usando a Corrente Crítica – post #5

Gestão do Projeto pelo Método da Corrente Crítica

Em minha opinião, a grande “sacada” da aplicação do Método da Corrente Crítica, não reside simplesmente na elaboração de um novo cronograma “partido ao meio”, com a inclusão de pulmões de tempos ao final das pernas de atividades, mas sim, no que se deve fazer para acompanhar e controlar a evolução do trabalho.

Considerando que cada um dos 14 trechos de minha corrida dispõe agora de um tempo bastante agressivo para ser realizado, certamente terei que fazer uso de “parte” do tempo extra (proteção) extraído das estimativas originais, que estão consolidadas no Pulmão do Projeto, posicionado ao final da Corrente Crítica do cronograma. A questão é quanto do pulmão será usada ao final de cada trecho? Se eu conseguir correr e usar apenas o tempo que fora extraído, estarei consumindo proporcionalmente o Pulmão do Projeto e isso me indicará que terminarei dentro do tempo combinado de 1:44min – minha meta primária.

Aqui reside a vantagem do uso do Método da Corrente Crítica. Se eu for informado adequadamente sobre o meu Consumo do Pulmão do Projeto, poderei regular e adaptar o meu ritmo (se eu conseguir e se tiver fôlego para tanto) de modo a economizar tempo de Pulmão, o que potencializará o término da minha corrida sem consumir todo o Pulmão do Projeto, o que acarretará no término antecipado, antes do tempo de 1:44min – minha meta secundária.

Ou seja, durante a corrida, tudo se resume ao acompanhamento preciso da evolução dos trechos, no apontamento do horário de seu término, no cálculo e comunicação do consumo dos pulmões aos interessados (no caso, apenas eu) e na motivação/condição adequada para a tomada de ações preventivas e corretivas de manutenção do Consumo do Pulmão do Projeto dentro de parâmetros considerados aceitáveis (zona verde). Parece simples não? Pois não o é. Pela minha experiência, esse é o ponto mais complexo da aplicação da CCPM.

Enfim, como planejamos fazer isso tudo durante a corrida de modo online? Em primeiro lugar, montamos um PMO (War Room) que estará funcionando num apartamento próximo à Avenida Paulista. Lá estarão dois colaboradores voluntários, o Fábio Vampel, Especialista em aplicação da CCPM que elaborou o cronograma e estará responsável pela operação do software (Prochain), apontamentos de tempos de conclusão de trechos e cálculo do Consumo do Pulmão do Projeto. O outro Colaborador será o Vitório Cabral, profissional de mídia, que vem estudando e praticando o gerenciamento de projetos pela J2DA Consulting. Este último será responsável pelo acompanhamento, via Google Maps e GPS, do meu posicionamento durante o percurso e pelo interfaceamento da comunicação entre eu e o Fábio Vampel durante a prova.

Para tanto, correrei portando um GPS com dispositivo de acompanhamento online através do aplicativo RunKeeper do Iphone 3GS. Já fizemos diversos testes do aplicativo e concluímos que ele funciona bem, apesar do delay de 1 minuto para a atualização da minha posição. Todo o controle poderia ser feito apenas através desse dispositivo. Vitório cronometraria o tempo de minha chegada em cada trecho, apontaria o tempo real para o Fábio, que atualizaria o Prochain e devolveria ao Vitório o meu Consumo de Pulmão. Por sua vez, Vitório me passaria a informação através do celular ligado, durante as quase 2 horas de prova.

Considerando que estarei com celular ligado, consideramos então aprimorar o apontamento dos tempos de chegada em cada trecho através do meu próprio comando. Eu direi: “terminando trecho x”. Vitório cronometrará esse tempo e checará pela tela do computador o mapa do GPS (que apresentará um certo delay natural). Passará a informação ao Fábio que atualizará o Prochain e devolverá com o cálculo do Consumo do Pulmão. Vitório então me informará sobre o meu Consumo do Pulmão através do Indicador de Consumo: Quociente entre o Avanço da Corrente Crítica e o Consumo do Pulmão. Eu, por meu lado, tentarei adaptar meu ritmo ao Consumo do Pulmão indicado, motivado que estarei para terminar antes do tempo de 1:44min combinado. 

Um conjunto de aparatos tecnológicos que terá que funcionar perfeitamente para que o projeto aconteça. Bem parecido com o controle de um projeto real através da CCPM.

Bem, no próximo post proporcionarei uma análise de riscos do projeto.    

Alonso Mazini Soler, PMP – Profissional de Projetos, Professor de MBAs e Autor de livros de Gerenciamento de Projetos

About these ads

0 Responses to “Corrida de São Silvestre Usando a Corrente Crítica – post #5”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Contato

j2da@j2da.com.br

Siga a J2DA no Twitter

Uêba - Os Melhores Links

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: